Minicursos
Vagas Limitadas

  • A ESCOLA EM TEMPOS DIGITAIS: TECNOLOGIAS PARA ENSINAR E APRENDER  (Prof. Dr. Sergio Vale da Paixão)
  • ABORDAGENS TEÓRICO-METODOLÓGICAS: A ESCRITA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA (Profa. Mda. Ana Paula Costa Furman & Profa. Mda. Gabriela Martins Mafra) 
  • ENSINO DE LÍNGUAS EM DIFERENTES CONTEXTOS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES DE PROCESSOS DE LETRAMENTO (Profa. Ma. Itamara Peters)
  • LEITURA DE TEXTOS DE POLÊMICA: PRODUZINDO SENTIDOS (Prof. Dr. João Adalberto Campato Jr.)
  • LEITURA E ESCRITA NA PÓS-GRADUAÇÃO: DOS LETRAMENTOS ACADÊMICOS AOS POSICIONAMENTOS IDENTITÁRIOS (Profa. Dra. Rómina de Mello Laranjeira)
  • SOCIOLINGUÍSTICA EDUCACIONAL (Profa. Dra. Eliane Vitorino de Moura Oliveira)  


A escola em tempos digitais: tecnologias para ensinar e aprender

Prof. Dr. Sergio Vale da Paixão

Pós-doutorando em Letras (UEM). Doutor em Psicologia pela UNESP. Mestre em Estudos da Linguagem (UEL) . Professor do IFPR - campus Jacarezinho. Líder do grupo de pesquisa Ensino, Cultura, Linguagem e suas tecnologias (GECLIT - IFPR/CNPq) e participante do grupo de pesquisa Interação e Escrita (UEM). Coordenador da Especialização Educação e Sociedade no IFPR - Jacarezinho. Coordenador institucional do Programa de Residência Pedagógica - IFPR/Capes.

O conceito de escola e de prática educacional tem mudado nas últimas décadas, visto que a escola saiu da formação erudita para a construção de habilidades. Nesse caminho, a participação dos sujeitos em práticas tecnológicas e digitais passou a ganhar ênfase, na medida em que diferentes grupos antes excluídos agora se encontram contemplados por políticas públicas de educação. Assim, a construção de caminhos para a atuação profissional constituem uma necessidade e um desafio ao qual o pensar pedagógico deve oferecer soluções. Para tanto, tecnologias digitais, práticas e concepções de ensino estão resultando em práticas educacionais cada vez mais emancipatórias e participativas. Ante a complexidade do fluxo de informações e a capacidade de influenciar hábitos promovidos pelas tecnologias, novos gêneros textuais são produzidos para atender às novas demandas. Para encurtar as fronteiras entre escola e sociedade, os usos digitais da leitura e da escrita vêm sendo a principal ferramenta nesse processo que tanto é inclusivo como capacitador. A presente proposta de curso tem por objetivo problematizar e dialogar sobre práticas pedagógicas em que o uso de tecnologias no ensino de Língua Portuguesa é instrumento e meio de trabalho em sala de aula.

Abordagens teórico-metodológicas: a escrita no contexto da educação básica 

Profa. Mda. Ana Paula Costa Furman & Profa. Mda. Gabriela Martins Mafra

Gabriela Martins Mafra é Mestranda do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras da Universidade Estadual do Centro-Oeste. Especialização em Educação Especial Inclusiva. Graduação em Letras Português/Inglês (UENP). Desenvolveu três projetos de iniciação científica na condição de voluntária (2013/2014, 2014/2015, 2015/2016). Pesquisadora dos grupos de pesquisa: DIALE - Diálogos Linguísticos e Ensino (CNPq/UENP), Literatura e Educação (CNPq/UNICENTRO) e Ensino de Língua e Literatura (CNPq/ UNICENTRO). Desenvolve pesquisa na área de Linguística Aplicada e ensino de línguas e literatura com ênfase nos gêneros textuais e letramentos, principalmente, sob a perspectiva da fundamentação teórico-metodológica do Interacionismo Sociodiscursivo (ISD).

Ana Paula Costa Furman é Mestranda do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras pela Universidade Estadual do Centro-Oeste do Paraná - UNICENTRO/PR. Graduada em Letras pela Universidade Estadual do Paraná - UNESPAR/PR, com habilitação em Língua Portuguesa e Língua Inglesa e suas respectivas literaturas. Participou como bolsista no Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência, nos projetos de Língua Portuguesa e Língua Inglesa, durante os anos de 2014 a 2017. Foi integrante do Programa de Iniciação Científica, entre os anos de 2016 e 2017, na área de ensino de Língua Portuguesa, em nível de Graduação.

Um discurso já generalizado no meio educacional trata-se do ensino de línguas por meio dos gêneros textuais/discursivos. No entanto, essa prática, muitas vezes, não está devidamente pautada em perspectivas teórico-metodológicas sólidas. A partir dessa problemática, pretendemos delinear possíveis percursos para um trabalho efetivo no que tange a abordagem dos gêneros, direcionando nossas discussões para o ensino da produção textual, com foco nos processos de revisão e reescrita, no âmbito da Educação Básica. Para tanto, faremos este percurso voltado ao ensino e aprendizagem de língua materna, tecendo aproximações entre os pressupostos bakhtinianos e a ciência do humano, o Interacionismo Sociodiscursivo. No que concerne o ensino da produção textual, pautamo-nos na concepção de escrita como trabalho, conforme Fiad e Mayrink-Sabinson (1991), e, em relação à revisão e reescrita, tomamos como embasamento os estudos de Serafini (1998), Menegassi (1998), Ruiz (2001) e Gonçalves (2013). Com isso, almejamos contribuir com reflexões acerca do ensino e aprendizagem de Língua Portuguesa, principalmente, no diz respeito ao trabalho com a produção textual escrita na Educação Básica.  

Ensino de línguas em diferentes contextos: desafios e possibilidades de processos de letramento 

Profa. Ma. Itamara Peters

Mestre em Letras (ProfLetras) - Universidade Estadual do Norte do Paraná. Professora do quadro próprio do magistério - Secretaria de Estado da Educação do Paraná - Núcleo R. de Educação Curitiba - Programa de Atendimento a Rede de Escolarização Hospitalar. e profissional quadro próprio do magistério da Prefeitura Municipal de Curitiba. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Língua Portuguesa e na Educação Hospitalar.

O ensino de línguas por si só já se constitui em um grande desafio para os docentes, analisar e compreender esse processo em contexto diferenciado da sala de aula convencional exige um processo mais amplo de reflexão sobre o objeto de estudo e sobre o contexto do processo de ensino. Tomando como objeto de estudo a educação inclusiva e os diferentes contextos de atuação docente propomos discutir de modo mais amplo, que possibilidades de ensino o professor de línguas tem ao adentrar em um contexto diferenciado, que habilidades e domínios lhe são exigidos e que perfil docente se pode pensar para atuação num contexto complexo e diferenciado. Elencamos como base teórica para discussão os estudos sobre processos de letramento desenvolvidos por (SOARES, 2004; KLEIMAN, 1995, 2005, 2007; ROJO, 2015; MOLLICA, 2012; STREET, 2014), conceitos e discussões sobre educação especial e inclusiva realizados por (LEPRE, 2007; MANTOAN,1997,1998,2015; MOLLICA, 2012,2014, BATISTA JR, 2008), estudo sobre a formação de professores (OLIVEIRA, 2014; MATTOS, 2010; ALARÇÃO, 2015;) e os saberes da docência (FREIRE, 1981, 1994, 1995, 1998; TARDIF, 2002; ) visando compreender quem é o sujeito professor de línguas que assume o desafio de uma educação em espaço diferenciado e diverso do convencional, como se constituem as questões de ensino e quais os caminhos que podem ser pensados para a construção de processos de ensino. 

Leitura de textos de polêmica: produzindo sentidos

Prof. Dr. João Adalberto Campato Jr.

João Adalberto Campato Jr. é professor do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Interdisciplinar em Ciências Ambientais da Universidade Brasil. É mestre e doutor em Letras pela UNESP, câmpus de São José do Rio Preto-SP. Tem pós-doutorados pela USP, UNICAMP, UERJ e UFMS.

Unindo os contributos dos gêneros textuais, da retórica, da teoria da argumentação e da análise do discurso, busca-se fornecer um método de leitura sistemática, panorâmica e crítica de textos verbais - da modalidade escrita - oriundos de situações discursivas de polêmicas políticas, ambientais, educacionais, entre outras.



Leitura e escrita na pós-graduação: dos letramentos acadêmicos aos posicionamentos identitários

Profa. Dra. Rómina de Mello Laranjeira

Licenciada em Estudos Portugueses pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto (2005) e pós-graduada em Linguística Aplicada pela Universidade do Porto (2006). Doutora em Ciências da Educação (2013), especialidade em Literacias e Ensino do Português, pela Universidade do Minho (com reconhecimento pela UFMG como Doutora em Educação, Conhecimento e Inclusão Social). Realizou também um período de investigação no Institute of Education, em Londres, em 2010. Atualmente é pós-doutoradanda em Letras, na Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo (Brasil). Desde 2017, participa nos Grupos de Pesquisa 'O Discurso Pedagógico de Paulo Freire', liderado por Maria Lúcia Vasconcelos e Regina Brito (UPM) e 'Escrita: ensino, práticas, representações e concepções', liderado por Raquel S. Fiad (UNICAMP), ambos cadastrados no CNPq.

Propomos neste minicurso apresentar uma abordagem da leitura e da escrita na universidade que ultrapassa, em larga medida, os produtos textuais de pós-graduandos. Adotamos uma perspectiva embasada no modelo dos letramentos acadêmicos, que privilegia os processos socioculturais de inserção nesse contexto, bem como as práticas situadas de uso da linguagem que lhe são próprias e através das quais os pós-graduandos (re)constroem suas identidades acadêmicas. O favorecimento de práticas reflexivas permite a inserção gradativa nesse contexto, ajudando a ultrapassar conflitos e tensões identitárias tão comuns e ainda existentes no âmbito da pós-graduação. Ao entendermos as funções, as práticas e os valores da leitura e da escrita na universidade, queremos oportunizar a partilha, análise e discussão dessa problemática, explorando os casos particulares do público presente, recorrendo para isso às suas práticas letradas situadas. O objetivo é compreender, analisar e discutir as experiências de articulação, negociação de identidades, memórias e relações de poder vivenciadas, relacionadas às formas próprias de ler e escrever na pós-graduação. Para tanto, teorizaremos sobre as relações entre linguagem, identidade e escrita acadêmica; apresentaremos resultados de pesquisa; e, por fim, sugeriremos propostas que possibilitem metaconhecimento e um melhor posicionamento no contexto acadêmico da pós-graduação.

Sociolinguística educacional

Profa. Dra. Eliane Vitorino de Moura Oliveira 

Docente na Universidade Federal de Alagoas, Campus de Arapiraca,.Participa dos projetos de pequisa: Ensino e aprendizagem de línguas; Descrição e análise linguística, literatura e texto, ambos na UFAL; Núcleo de Estudos e pesquisas em educação, história, letras e ARTES: diversidade sociocultural, relações etnico-raciais em países de língua portuguesa, na UFMG-2014; Variação linguística e ensino, na UEL. Atuou como Leitora, pelo Programa Leitorado do governo brasileiro, na Universidade de São Tomé e Príncipe entre 2014 e 2017. Doutora (2015) e Mestre (2011) pelo Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem na Universidade Estadual de Londrina, com pesquisa na área de Sociolinguística. Especialista em Língua Portuguesa (2008) e Graduada em Letras Anglo-Portuguesas pela Universidade Estadual de Londrina (2007). Atua, também, na área de Português para falantes de Outras Línguas. Associada à SIPLE e à ABRALIN.

Neste minicurso, serão apresentadas as bases da Sociolinguística Educacional (Bortoni-Ricardo, 2005), trazendo, primeiramente, um modelo proposto por Bortoni-Ricardo (2005) para a análise da fala em Português Brasileiro, cuja metodologia aloca os falantes em contínuos (oralidade e letramento; urbanização; monitoração estilística), por meio da observação de marcas graduais e descontínuas presentes em sua expressão linguística, para, a partir disso, estabelecer a premência de uma pedagogia da variação linguística, conforme reflexões de Faraco e Ziles (2015). Tendo essa parte metodológica firmada e levando em conta o objetivo estabelecido pelos Parâmetros Curriculares Nacionais (1996) para o ensino de Língua Portuguesa, quer seja o de promover os usos que configurariam a "norma padrão", o minicurso pretende, também, empreender uma discussão em torno da elaboração de propostas pedagógicas que envolvam a complexidade das normas, de modo a subsidiar um ensino que se alie à desejável abordagem reflexiva da gramática e ao desenvolvimento das competências de leitura e produção textual (Vieira, 2004).